quinta-feira, maio 01, 2008

C

Gustav Klimt - Biscie D'Acqua

No meio da terra afastarei
as esmeraldas para te ver
e tu estarás copiando as espigas
com uma pluma de água mensageira.

Que mundo! Que profunda salsa!
Que navio navegando na doçura!
E tu talvez e eu talvez topázio!
E não haverá separação nos sinos.

E haverá apenas o ar livre,
as maçãs levadas pelo vento,
o suculento livro na ramada,

lá onde os cravos respiram
criaremos uma roupagem que resista
à eternidade de um beijo vitorioso.


Pablo Neruda – Cem sonetos de amor - C

6 comentários:

ivone disse...

sei que nada ou só um pouco tem a ver mas reparei na minha música preferida humility de wim mertens


de klimt viste o filme?

e pablo neruda o carteiro. lindo!

ivone disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
JFDourado disse...

Olá Ivone.

Sim, e gostei, até porque tínhamos direito a John Malkovich.

De Neruda vi o filme, a peça de teatro, e li o livro...

:)

Andreia Ferreira disse...

Lá está um outro mundo à parte ;) Beijinho

JFDourado disse...

:)

outro para ti, Andreia.

rosasiventos disse...

que invenção podem ser os meus dedos nos teus nos meus dedos